sexta-feira , 7 agosto 2020
Home / Carreira / Vacina de Oxford começa a ser testada no Rio e São Paulo

Vacina de Oxford começa a ser testada no Rio e São Paulo

Pelo menos 5 mil profissionais da saúde participarão das testagens no Rio de Janeiro e em São Paulo; vacina está entre as 13 que já estão em fase clínica de testes em humanos no mundo

A vacina contra o novo coronavírus liderada globalmente pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, começou a ser testada em São Paulo e Rio.

A solução, denominada ChAdOx1 nCoV-19, é uma das 141 candidatas cadastradas na Organização Mundial de Saúde (OMS) e está entre as 13 que já estão em fase clínica de testes em humanos no mundo.

Vem aí um novo conceito de comprar ou vender imóveis

Os testes da vacina em São Paulo começaram na última sexta-feira (19) e prosseguiram nesta segunda-feira (22), segundo o Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Unifesp, que coordena a aplicação da vacina na região.

Segundo informações da Universidade de Oxford, pelo menos 5 mil profissionais da saúde participarão das testagens no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Em nota, a Fundação Lemann, uma das financiadoras do projeto no Brasil, afirma que ainda há um longo caminho até o sucesso da ação. “O que virá depois, ainda não sabemos. Enquanto isso, o foco da Fundação Lemann está em acompanhar a iniciativa. Há muitas pessoas e organizações trabalhando colaborativamente para o sucesso e, junto delas, esperamos dar nossa contribuição para que a pandemia seja superada, com foco e atenção ao Brasil e sua gente, nosso maior compromisso”.

Pelo menos 5 mil profissionais da saúde participarão das testagens no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Vacina de Oxford

A vacina da Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a empresa Astrazeneca, é uma das vacinas em estágio mais avançado no mundo. A solução é considerada moderna e “segura” por não utilizar o vírus e sim uma sequência genética.

O imunizante utiliza uma tecnologia conhecida como vetor viral recombinante. Ele é produzido a partir de uma versão enfraquecida de um adenovírus que causa resfriado em chimpanzés e que não causa doença em humanos. Nele, foi adicionado o material genético usado na produção da proteína spike do Sars-Cov-2 (usada para invadir células), induzindo os anticorpos.

Ao todo, 50 mil pessoas serão testadas em todo o planeta – 30 mil nos Estados Unidos e outras em países da África e Ásia. No Brasil, pelo menos 5 mil voluntários entre 18 e 55 anos serão vacinados. Os resultados devem ser anunciados até setembro e, se tudo correr bem, as vacinas serão entregues já em outubro.

fonte G1

Veja Também

Tecnologia – Cartões por aproximação são alternativas para evitar covid-19

Pandemia contribuiu para o aumento do uso desse recurso Durante a pandemia do novo coronavírus, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *