domingo , 20 outubro 2019
Home / Finanças / Rendimento médio vem de transferências e trabalho, indica IBGE

Rendimento médio vem de transferências e trabalho, indica IBGE

Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), divulgada hoje (4), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a grande contribuição para o rendimento médio familiar vem do trabalho e das transferências, que reúnem programas sociais e aposentadorias, entre outros itens.

Segundo o gerente do estudo, André Martins, 57,5% do rendimento das famílias vêm do trabalho e a parcela que resulta da colaboração da transferência alcança quase 19,5%.

A contribuição não monetária aparece em terceiro lugar (14,5%), englobando tudo que a família adquiriu, como um presente recebido, por exemplo, mas não teve que desembolsar nenhum valor.

A soma de todos os ganhos gerou o rendimento total das famílias, em 2017/2018, equivalente a R$ 5.426,70. Para as famílias em áreas urbanas, o valor do rendimento e da variação patrimonial atingiu R$ 5.806,24, enquanto nas áreas rurais ficou em R$ 3.050,49. Isso significa que, em média, as famílias em situação rural receberam o equivalente a 52,3% dos valores auferidos pelas famílias em áreas urbanas, o que comprova uma diferença relevante entre as duas áreas.

Publicidade

Desigualdade

Pesquisadores do IBGE fizeram uma tabela para entender a desigualdade de contribuição das regiões brasileiras para a formação do rendimento médio da população. A média encontrada, segundo explicou André Martins, é puxada por um percentual menor de famílias, enquanto um percentual enorme de famílias, quase 80%, contribui com uma parcela reduzida dessa média total.

Analisando a pesquisa, observa-se que 7,3% das famílias moradoras na Região Norte contribuem com uma parcela de R$ 265,09 (4,9% do rendimento médio total de R$ 5.426,70).

Quando se examina a Região Centro-Oeste, as famílias contribuem com R$ 525,44. Esse valor, somado à contribuição do Região Norte, gera um acumulado de R$ 790,52. Juntas, 15% das famílias das duas regiões colaboram com 14,6% para a geração do rendimento médio total.

Sozinho, o Nordeste poderia dar R$ 921,45 de contribuição para a média total. “Quando o Nordeste entra na brincadeira, você salta de 15% das famílias acumuladas e passa a ter 40,9% das famílias no estudo”.

A contribuição conjunta de Norte, Nordeste e Centro-Oeste atinge R$ 1.711, 97, ou 31,5% do rendimento médio total.

Com a entrada da Região Sul, somada às demais regiões, tem-se R$ 2.636,76 do rendimento médio. “Juntando as quatro regiões, você conseguiu  48,6% do total e já usou 56,3% das famílias”, destacou o pesquisador.

Com a inclusão da Região Sudeste, que determina a maior parte da renda (R$ 2.789,94), todas as famílias são usadas e isso completa a renda média de R$ 5.426,70. A conclusão é que os rendimentos são mais baixos em algumas áreas do país do que em outras.

Publicidade

Classes de rendimento

A contribuição das famílias, segundo as classes de rendimento, indica que, embora haja o rendimento médio nacional de R$ 5.426,70, a colaboração das famílias que recebem até dois salários mínimos, baseado em valores de 2018, atinge R$ 297,18, ou o equivalente a 5,5%.

Mas isso não significa que elas recebam esse valor de renda. O percentual resulta da divisão de R$ 297,18 pelo valor médio do rendimento total. Estão nessa classe 23,9% das famílias brasileiras.

“Você tem quase um quinto das famílias colaborando com 5,5% dessa renda total. Ou seja, elas recebem muito abaixo dessa média mensal familiar, desse rendimento total que está representando o Brasil”, disse Martins.

O gerente da pesquisa afirmou que, olhando pela outra ponta, constata-se que 97,3% do acumulado das famílias que ganham até R$ 23.850 colaboram com R$ 4.346,44 da renda média. Isso quer dizer que o restante para completar 100% das famílias, ou seja, 2,7%, contribui com a diferença entre R$ 5.426,70 e R$ 4.346,44, o que significa que a colaboração é de R$ 1.080,26. “Ou seja, esses 2,7% colaboram com quase 20% da média total”.

Essa média tem muita influência das pessoas que têm muito rendimento, revela o levantamento do IBGE. “E as pessoas, que são a maioria e têm menor rendimento, não deixam isso ser maior. Elas puxam isso para baixo. É assim que a gente tem visto em todas as pesquisas”, acentuou André Martins.

Ele quer ver chegar o dia em que não seja mais preciso ter tão pouca gente que concentre tanto rendimento. “Mas, por ora, a gente ainda tem uma pequena parcela da população que se apropria muito dos rendimentos totais gerados da população”, finaliza.

Veja Também

Receita paga hoje restituições do 5º lote do Imposto de Renda 2019

A Receita Federal libera hoje (15) o pagamento das restituições do quinto lote do Imposto ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *