domingo , 20 outubro 2019
Home / Carreira / Grupo do IG é selecionado para Escola de Diplomacia da Ciência e da Inovação

Grupo do IG é selecionado para Escola de Diplomacia da Ciência e da Inovação

Um grupo formado por quatro alunos e ex-alunos do Departamento de Política Científica e Tecnológica do IG participou no final de agosto da Inovation and Science Diplomacy School (InnSciD), que é apoiado pelo Programa da Escola de Ciências Avançadas de São Paulo da Fapesp (ESPCA) e organizado pelo Instituto de Relações Internacionais da USP.

A Escola de Diplomacia da Ciência e Inovação ocorreu no Instituto de Estudos Avançados da USP entre os dias 21 e 30 de agosto. Dos 973 inscritos, apenas 40 brasileiros e 40 estrangeiros foram selecionados, o que mostra a alta representatividade dos alunos do IG. Rodrigo Ito, Victo José da Silva Neto, alunos de doutorado do DPCT, e Maria Carolina Foss e Paula Drummond, doutoras formadas pelo mesmo Departamento, foram os selecionados para participar do programa que tinha como foco discutir e avançar duas novas abordagens dos Estudos de Ciência, Tecnologia e Inovação: Diplomacia da Ciência e da Inovação.

Segundo Rodrigo e Victo, “o DPCT foi concebido para pensar majoritariamente políticas de C&T em escala nacional; já a escola foi desenhada para destacar uma dimensão internacional de políticas públicas que estão ganhando robustez. Dessa forma, com este movimento de sistematizar a esfera internacional das políticas, abre-se uma janela de oportunidade para que os alunos do Departamento possam avançar o campo de estudos da diplomacia da ciência e da inovação”.

Publicidade

Dentre as atividades realizadas nos 10 dias do programa, duas se destacaram: a visita a dois importantes centros científicos e tecnológicos do país – Fábrica da Embraer, em São José dos Campos, e o Sirius, em Campinas; e a participação na palestra conjunta dos reitores da Unicamp, USP e Unesp e do diretor da Fapesp, Brito Cruz.

De acordo com os alunos, três aspectos da Escola contribuíram para sua formação: novos conhecimentos; construção de redes e fortalecimento da ciência e tecnologia. “Durante os dez dias da escola, fomos apresentados tanto a novas metodologias para analisar a dimensão internacional das políticas de C&T, como também ao avanço mais recente do campo de estudos da diplomacia da ciência e da inovação e a professores estrangeiros que lideram esta área de estudos. Também fomos expostos e inseridos a uma rede de 80 participantes de 30 países, o que, por sua vez, acarretou na troca de conhecimentos e em potenciais propostas para desenvolver pesquisas conjuntas. Por fim, a criação desta rede foi concebida para que os participantes possam defender e promover a ciência e tecnologia em seus países”, apontaram os alunos em resposta conjunta enviada ao Portal da Unicamp.  No trabalho final, ocorreu a criação de um arcabouço normativo de diplomacia da inovação.

Veja Também

Cerca de 200 alunas participam do 1ª Torneio Meninas na Matemática

Cerca de 200 estudantes estão inscritas no primeiro Torneio Meninas na Matemática (TM²). As provas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *