sexta-feira , 22 novembro 2019
Home / SíndicosBR / A Hora do Síndico: evento que vem mudando a gestão de condomínios pelo conhecimento

A Hora do Síndico: evento que vem mudando a gestão de condomínios pelo conhecimento

A segunda edição do evento “A hora do Síndico”, foi um sucesso. A programação aconteceu no dia 14 de agosto no hotel Confort, na Orla dos Cavaleiros em Macaé. Além das palestras, também houve exposição de stands e workshops. A realização foi do Portal Economia e Negócios e Tupinambá Elevadores.  Entre os palestrantes estiveram Simone Vasconcelos que, além de palestrante, é também administradora, treinadora de síndicos, consultora de condomínio e responsável pelo método de gestão “5Si Prepare-se para administrar o condomínio do futuro’ e o coronel da Reserva do Corpo de Bombeiros, Erick Alves da Silva, que atualmente é secretário de Defesa Civil de Macaé.

O jornalista Fernando Passeado, organizador do evento “A hora do síndico”, contou ao nosso portal que a ideia surgiu de uma conversa com um fornecedor de manutenção de elevadores. “O Fernando, da empresa Fernando Tupinambá, que é assessorado pela nossa empresa, a Suporte Comunicação, disse que precisava fazer algo para aproximar os síndicos. A Tupinambá é uma empresa do Rio de Janeiro, se estabelecendo em Macaé, e que precisava ampliar essa relação. Então eu sugeri que a gente fizesse um evento que reunisse os síndicos de alguma forma e assim surgiu o evento para síndicos, que se tornou “A hora do síndico”. O primeiro evento foi uma demonstração de que havia realmente um vácuo nesse setor e que os síndicos são muito carentes de informação de qualidade e em várias áreas porque essa função exige que você tenha que entender muito de diversas coisas simultaneamente e nem sempre o síndico tem uma formação de gestão ou administração e isso dificulta muito  até o entendimento das questões jurídicas, por exemplo”.

Fernando Passeado ainda acrescentou que as inúmeras obrigações dos síndicos fomentaram a ideia de trazer conhecimento a essa categoria de profissionais e diante disso, convidaram palestrantes de áreas distintas que de alguma forma são bagagens necessárias nessa viagem que os síndicos enfrentam rumo ao trabalho de excelência que lhes é exigido principalmente pelos condôminos. E a programação do evento, de acordo com Fernando passeado, foi essa” Nós pensamos em trazer o máximo de conhecimento e, pensando nisso, trouxemos empresas idôneas, que ocupam esse mercado, que trazem novas tecnologias e cada vez mais inovação a esse setor. Porque do nosso olhar, a gente percebe que a cada dia ser síndico vai cada vez mais exigir condições tecnológicas e diferenciadas pois o mundo está mudando de maneira muito acelerada para você fazer face às questões de segurança, de entretenimento dentro do condomínio que já é uma tendência, mediante a serviços que passam a entrar na vida das pessoas. O próprio mercado imobiliário que, de acordo com estatísticas, que os lançamentos em sua maioria são de condomínios. Então finalizando, o intuito maior é levar informação e conhecimento e o resultado disso é que já ao final do primeiro evento, as pessoas já pediam o segundo”, contou Fernando.

Publicidade

Com exclusividade ao portal economia e negócios, uma das palestrantes, Simone Vasconcelos, disse que as empresas que prestam serviços para condomínios precisam entender os problemas que um síndico enfrenta, para mediante a isso oferecer seu produto e ser bem-sucedido. Para ela é preciso saber quais as “dores do síndico”. Em relação aos síndicos, ela acredita que o síndico precisa antes ser um morador do condomínio. “O ideal é o síndico morador se profissionalizar porque ele tem o que eu entendo como razão e emoção, o primeiro porque ele aprendeu então ele consegue executar o aprendizado, mas ele tem a emoção porque ele é dono, é proprietário e dá um maior valor àquilo. E para mim essa junção é primordial”, disse ela.

Atualmente Simone da consultoria para síndicos e enxerga na sua função, muitas vezes, a tarefa de tirar o condomínio da “UTI” Ela diz que tanta ao máximo passar sua experiência nesse segmento e vai além: ela vê no condomínio um lugar no qual ela pode exercer a política, ou seja, ela começa uma mudança em uma pequena parcela da sociedade, em uma pequena comunidade e acredita que o resultado aparece no âmbito geral. “Eu posso não conseguir chegar lá em cima, mas eu consigo mudar uma cabeça e o pouquinho que você mudar aquela pessoa, ela muda a família dela, ela passa a criar um ambiente melhor e isso reflete na sociedade como um todo”, acrescentou Simone.

Em relação ao que é preciso para ser um bom síndico, Simone diz que é preciso ter domínio próprio. Ela acredita que um bom síndico precisa saber de tudo um pouco, mas não ser perito em nada. Como consultora de síndicos e formadora desses profissionais, Simone ressalta que entende que o síndico ideal é o que não vê sua formação específica com única necessária para o cargo. Ela diz que não adianta ser engenheiro, ou advogado apenas, é preciso entender a necessidade interdisciplinar do síndico que vai se deparar com uma infinidade de problemas que ele terá de resolver que, não necessariamente, serão específicos da área que ele domina bem.

Publicidade

Outro palestrante do evento foi o coronel da reserva do Corpo de Bombeiros, Erick Alves da Silva que, atualmente é o Secretário de Defesa Civil de Macaé. A palestra dele foi sobre as questões legais que os condomínios enfrentam relacionados ao corpo de bombeiros e à Defesa Civil. Dentro desses assuntos foram abordados a segurança conta incêndios, segurança em piscinas e sobre a Defesa Civil.  “Segurança contra incêndio: a gente apresentou o que os condomínios precisam ter para estarem devidamente legalizados no corpo de bombeiros. São dois documentos: laudo de exigência e certificado de aprovação. Nós abordamos de que maneira eles conseguem esses documentos, mediante a contratação de empresas credenciadas no corpo de bombeiros para confecção de projetos e execução de instalação de equipamentos e a gente apresentou quais os tipos de equipamentos a edificação possuem de acordo com o tamanho e sua finalidade, se é residencial, se é comercial ou industrial. Então, de acordo com o tamanho a gente falou sobre extintor de incêndio, sobre canalização preventiva, rede de sprintler, sistema de para-raios e muito mais. Foi uma palestra bem produtiva do ponto de vista que pude orientar diretamente essas pessoas presentes a dar a devida importância a segurança “, finalizou o secretário.

Por: Paula Pereira

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *